domingo, 21 de agosto de 2016

Dicas de Bolívia: atualização em agosto de 2016

Nesta semana houve uma pergunta de peso na postagem mais popular deste blog (Bolívia de ônibus - já com mais de 25,5 mil visitas)

...Gostaríamos de saber os valores e horários de partida e horas de viagens (valores para rodoviários):
1° SP X Corumbá - 2° Puerto Quijarro x Santa Cruz - 3° Forte de Samaipata - 4° Parque Nacional Noel Kempff - 5° Tiahuanaco - 6° Salar de Uyuni... 7° Valle de la Luna (La Paz) - 8° Monte Chacaltaya....

Nas minhas três viagens pela Bolívia conheci 6 desse 8 locais, No.6 e No.4, bem como mais alguns pontos do meu interesse guardei para próximas. Portanto estes dois ficarão para últimos e mais extensos comentários. Agora, pela ordem...

1° SP - Corumbá. Justo nestes dias encontrei da Via Dutra aquele ônibus da enigmática linha da empresa ANDORINHA: Rio - SP - Corumbá - Puerto Suarez BOL. A grande vantagem desta opção é relativo conforto nos trâmites de fronteira, já que o ponto fica do lado boliviano (uns 10 km depois de Puerto Quijarro, onde também pode desembarcar). Sugiro buscar informações sobre dias, horários e tarifas diretamente nos guichês da ANDORINHA, já que no site desta empresa esta linha não aparece mais. Mas aparecem trechos separados SP - Campo Grande e Campo Grande Corumbá, com vários horários e preços 202 + 112 R$.

2° Puerto Quijarro - Santa Cruz.
As tarifas dos trens variam bastante, de acordo com categoria, bem como tempo de viagem. Esta imagem é de abril de 2013, mas creio que os dados não mudaram muito. 

Mas a opção rodoviária agora é bem melhor: apenas 10-12 horas de viagem pelas estradas bem pavimentadas, com tarifas por volta de 150 BOL$. Há várias saídas de manha e à noite. 

Pode também quebrar este trecho de 650 km mais ou menos no meio, fazendo boa parada ou até desvio em San José de Chiquitos (mais detalhes informarei na parte final).


3° Forte de Samaipata. 
Patrimônio de Humanidade UNESCO, realmente vale a pena. 



Fica a 10 km da cidade Samaipata, detalhes de visitação: El Fuerte de Samaipata

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Moscou para iniciantes: mini-guia das 11 maravilhas

Moscou, RÚSSIA

Comecei selecionando 10 lugares mais recomendáveis para primeira visita a Moscou, mas logo lembrei que o seu sistema de metrô também é uma grande atração turística. E a mais prática de todas, já que facilita acesso às demais, portanto constará em primeiro lugar nesta listinha. A numeração dos outros objetos será quase aleatória, mas penso que ajudará a localizá-los nos mapas. Mas na parte de apresentações ilustradas começarei com 3 sítios de Patrimônio de Humanidade UNESCO:  Kolomenskoye (8), Novodevichiy (9), Kremlin e Praça Vermelha (3 e 4).

Eis a minha seleção, com indicação das estações de metrô mais próximas:

1. Metrô de Moscou - como meio de transporte e pela arquitetura de várias estações

2. Teatro Bolshoi e seus arredores (Teatral´naya)

3. Praça Vermelha ao lado Leste do Kremlin, com Catedral São Basílio, Museu Histórico e Galerias GUM (Okhotnyi Ryad)

4. Parques ao lado Oeste do Kremlin e acesso ao seu interior, parte interna do Kremlin, com seus museus e suas igrejas (Aleksandrovskiy Sad)

5. Catedral do Cristo Salvador e Museu de Artes Pushkin (Kropotkinskaya)

6. Calçadão Arbat (Smolenskaya, Arbatskaya)

7. Praça Pushkin e Rua Tverskaya até o Kremlin (Pushkinskaya, Tverskaya, Chekhovskaya) 

8. Igrejas de Ascensão e outras no Parque Kolomenskoye (Kolomenskaya)

9. Convento e Cemitério Novodevichiy (Sportivnaya)

10. Mirante Vorobyovy Gory e Cidade Universitária MGU (Vorobyovy Gory, Universitet)

11. Parque da Vitória, com Arco Triunfal e Panorama Borodinô (Park Pobedy)


quarta-feira, 27 de abril de 2016

Roteiro PN Serra da Capivara PI

Uma aventura solitária, portanto com alto grau de improvisação. Começa hoje, 27 de abril, com voo São Paulo GRU - Teresina THE, chegada 18:50. Reservei apenas uma pernoite, logo na chegada.

28.04. Dia para conhecer a capital do estado Piauí e comprar passagem de ônibus até São Raimundo Nonato que fica a mais de 500 km na direção sul, umas 10 h de viagem.  Tenho informações sobre 3 ônibus por dia, inclusive um noturno, portanto espero partir de Teresina às 21-22 h.



29.04. No plano ideal chego a São Raimundo Nonato de manhã cedo. Terei dia inteiro para escolher um lugar de hospedagem (já visualizei no mínimo 5 opções, mas devem aparecer mais) e organizar excursões ao  PN Serra da Capivara nos dias seguintes. Aproveitando para conhecer bem esta cidade de apoio, com seus 32 mil habitantes é a maior na vasta região Sul de PI.

quarta-feira, 23 de março de 2016

O incrível cânion Itaimbezinho

Fotos desta maravilha natural, amplamente acessíveis hoje em dia na Internet, observamos já por muitos anos, pensando um dia visitar este lugar. E em outubro de 2010 não só sobrevoamos esta região, mas avistamos o cânion pela janela de avião, tiramos fotos (visite álbum deste voo aqui), e conferimos comparando com mapas: é isso mesmo! Demorou mais cinco anos até que conseguimos chegar lá por terra, com tempo suficiente para visitação deste PN Aparados da Serra com seu magnífico cânion Itaimbezinho, mas, finalmente, apreciamos tudo de perto. Pelo menos aquilo que é possível ver da parte aberta para visitação.



Ou seja, o "Vértice", o "Cotovelo" (início e virada brusca do cânion), algumas cachoeiras que caem para dentro, nuvens que crescem do seu fundo...

sábado, 12 de março de 2016

Torre de Gálata com panorama de Istambul

Coordenadas Wikimapia - visitação das 9 às 20 todos os dias - ingresso 25 Liras 

Localizada ao norte do Centro Histórico, no outro lado do estuário Corno de Ouro. Este lugar elevado, mais 52 metros da própria torre (nível de mirante, a altura total é de 67 m) proporcionam ótimas vistas desta incomparável cidade. O acesso é fácil, seja caminhando, ou de metrô (estação "Şişhane" fica a uns 350 m);

A atual torre foi construída pela colônia genovesa de Constantinopla em 1348, no lugar da antiga torre bizantina que foi destruída em 1204 pelos bárbaros católicos durante a 4-a Cruzada. 



Já a data na placa dourada em turco de refere à tomada da cidade pelos otomanos. 

A torre de Gálata é quase imperdível, é único mirante panorâmico com vistas da zona histórica acessível ao público em geral. Para nós foi muito bom começar a conhecer  parte central de Istambul justamente daqui, chegando de metrô logo depois de acomodação no hotel oferecido pela "Turkish Airlines". Algumas coisas já deu para identificar. 

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Ollantaytambo cidade, trem e chegada em Águas Calientes

02.02.2015. Uma segunda-feira de alta intensidade. De manhã curtimos o incrível monumento histórico e arqueológico de Ollantaytambo,  no lugar de almoço continuamos passeios: agora pelas ruas estreitas da atual cidadezinha de mesmo nome.



Logo depois começamos uma pequena aventura ferroviária: descendo de trem pelo estreito desfiladeiro do Rio Urubamba (Vilcanota) até a próxima cidadezinha Águas Calientes, base para visitação de Machu-Picchu. E até final do dia não apenas chegamos à nossa acomodação, mas também estudamos bem o pedaço, preparando-se em detalhes para próximo dia - dia-chave desta viagem.  

domingo, 10 de janeiro de 2016

O mais valioso monumento de arquitetura no Mundo


O ponto alto do nosso passeio de um dia em Istambul graças à longa conexão entre voos da "Turkish Airlines" foi visita ao museu do templo Santa Sofia (ou Hagia Sophia):


O  nome Hagia Sophia (Άγια Σοφίαem grego significa "Sagrada Sabedoria", em turco  escreve-se como Ayasofya.

Atualmente (deste 1935, então nos últimos 80 anos) este edifício funciona como museu dele próprio, e se tornou um dos mais visitados museus desta histórica metrópole. A entrada custa 30 Liras (menos de 10 Euro), infinitamente pouco comparando com mistérios preservados nesta monstruosa construção. 

A exposição começa ainda na parte externa do templo, com planta baixa e detalhes de projeto. E também com vestígios dos templos mais antigos que ocupavam outrora este local.

sábado, 2 de janeiro de 2016

Pela divisória do Centro Histórico

Samara, RÚSSIA 

A Rua Krasnoarmeiskaya (Красноармейская - "de Exército Vermelho") inicialmente foi chamada Peschannaya (Песчаная - "de Areia"), e entre ano 1870 e período soviético Alexeevskaya (Алексеевская). Se estica do Rio Volga na direção do terminal ferroviário, praticamente oeste-leste, e no final do século XIX dividia a cidade em duas partes equivalentes em área, mas de sorte bem diferente - "centro" e "periferia".  Nas últimas décadas esta margem ganha outro sentido: o triângulo sul, entre Rua Krasnoarmeiskaya, Rio Volga e Rio Samara representa a mais antiga parte da cidade, saturada de joias arquitetônicas dos séculos passados, e a reposição das construções condenadas à demolição ocorre por lá com maior delicadeza, em busca de conservação de ambiente tradicional.  Ao norte desta rua e até a Rua Polevaya (Полевая  - "de Campo") a herança era menos valiosa, com predomínio de construções de madeira, de 1-2 andares, que não resistem tanto ao tempo. Ainda no final  do século XIX começou a transformação gradual quadra por quadra, deste setor, resultando em harmonioso crescimento vertical e em formação de novos espaços verdes de grande extensão. Alias, a Rua Polevaya ("de Campo") ganhou este nome justamente porque a cidade acabava por aí: houve casas apenas de um lado, e no outro começavam as plantações da zona rural.

Mas esse setor estará em foco de outro roteiro, agora vamos apreciar apenas esta nítida "margem dos tempos" passeando pela Rua Krasnoarmeiskaya que divide a Cidade Velha em duas partes: uma cuidadosamente conservada e outra radicalmente reformada. Começando com a praça do Terminal Ferroviário, Praça Komsomolskaya (Комсомольская площадь), localizada entre ruas Krasnoarmeiskaya (Красноармейская), L´va Tolstogo (Л. Толстого - "do Leon Tolstoi"), M. Aguibalova (М. Агибалова) e Sportivnaya (Спортивная - "Esportiva"), bem na ponta leste do triângulo histórico, a mais distante do Rio Volga.

Uma das exceções aqui é o próprio Terminal. O prédio antigo foi considerado um monumento arquitetônico intocável por várias décadas, mas já não comportava o fluxo de passageiros e nem era passível a uma reconstrução que conservaria a sua aparência. No início dos anos 2000 foi construído completamente novo, bem diferente, mas também muito atraente.



Não apenas brilhante por fora, por dentro bem espaçoso e confortável, de configuração moderna: as principais salas de espera ficam diretamente sobre plataformas de embarque. E bem visível de longe, principalmente dos trens que chegam à cidade tanto do Leste quanto do Oeste (localmente do lado Sul) - com seus mais de 100 metros de altura é o mais alto terminal ferroviário da Europa. Já o prédio antigo era contemporâneo desta locomotiva à vapor que agora virou monumento, e também tinha aparência muito harmoniosa.

O  conjunto da Praça Komsomolskaya complementam três prédios construídos na primeira metade do século XX, que agora já fazem parte de patrimônio arquitetônico, com destaque para Administração Regional do antigo Ministério de Transporte Ferroviário da URSS, atualmente uma das subsidiárias da  RZhD (Empresa Estatal Ferroviária da Rússia), responsável por 11,5 mil km da sua malha (confira no Wikipedia em espanhol):

domingo, 6 de dezembro de 2015

Córdoba e região, Rosário, Buenos Aires

Mochilada solo pela Argentina em julho de 2012 - 10 dias - Viktor Pastoukhov


Foi uma viagem bastante improvisada e quase espontânea, inspirada por vistas aéreas da Córdoba e região que curti dois meses antes, ao voltar de Santiago para São Paulo. Esta cidade e serras ao redor conquistaram o meu coração de primeira vista, da altitude de 10 ou 11 mil metros:


(álbum completo aqui)


E depois de marcar direitinho todas as fotos de voo no Google Maps conheci muitas coisas interessantes, entre elas que nestas "Sierras Grandes de Córdoba" há um parque nacional onde é possível observar condors até melhor do que no famoso Cânion del Colca (Peru). E que há vasta herança jesuítica na cidade e na província de Córdoba, tombada pela UNESCO como parte de Patrimônio de Humanidade, bem como várias outras atrações na cidade e ao seu redor. 


As preparações foram curtas: consegui trocar minhas "milhas" pela passagem aérea só de volta, e só de Buenos-Aires, que nem pensava visitar nesta vez, mas não tinha nada contra um breve conhecimento com a principal metrópole da Argentina de quebra. E logo me mandei para Córdoba de ônibus, pensando em chegar a Buenos-Aires só na véspera de voo de retorno. terminando em retorno rápido por via aérea. Os ônibus da empresa CRUCERO DEL NORTE anotei ainda nas minhas viagens de 2010 para Iguaçu e para Assunção, e  nesta vez  viajei com ele para valer, duas noites seguidas.  Pela primeira vez na categoria "cama", uma poltrona confortável entre corredor e janela do lado direito. Passagem reservei por telefone, recebi dados bancários e endereço e-mail, paguei, enviei o comprovante e recebi a confirmação. Retirada de passagens na rodoviária Tietê, 1 hora antes de embarque, tudo tranquilo. Recebi 2 bilhetes grampeados, São Paulo - Garupá e Garupá - Córdoba, pelo preço de 255 reais, era mesma tarifa de Buenos-Aires, aonde seguiu o primeiro ônibus.

Nos 3 dias depois de chegar ao destino principal, rodei bastante pela regão em ônibus locais interurbanos e suburbanos. Ao terminar esta programação segui para Rosário em ônibus diurno, e 2 dias depois de lá para Buenos-Aires, também de dia. Apenas retorno para São Paulo foi por via aérea, de madrugada e com conexão em ASU.

Tudo correu muito bem, sem problemas ou dificuldades, consegui visitar tudo que queria e um pouco mais. Guardei ótimas impressões, depois voltei para Argentina em várias outras oportunidades, e voltarei ainda mais vezes.


Pontos altos da viagem - condores na Sierra de Córdoba e parques beira-rio em Rosário. 
Mas valeu também por tudo resto e pelo conjunto.

sábado, 28 de novembro de 2015

Ollantaytambo, simplesmente imperdível

1-2 de fevereiro (domingo - segunda):  de novo de meio dia ao meio dia. Mas 24 horas anteriores nós passamos no longo caminho com duas paradas curtas, e agora ao contrário - numa pequena cidade, apenas a algumas dezenas km de almejado sítio arqueológico de Machu-Picchu.   

Para muitos aventureiros apressados e praticamente para todos "pacoteiros" a cidade de Ollantaytambo serve apenas como nó logístico no caminho a uma das "novas maravilhas do mundo" e-ou de volta. Ocorre que logo abaixo deste lugar o Vale Sagrado dos Incas estreita tanto que forma um verdadeiro desfiladeiro do rápido e imprevisível Rio Urubamba (conhecido também como Rio Vilсanota), e não cabe mais nenhuma estrada de rodagem, apenas ferrovia de bitola mínima. Assim, o acesso (dos estrangeiros) a Machu-Picchu tem que ser de trem caríssimo (há como driblar esta armadilha, mas contarei a parte), mas há poucos trens diretos de Cusco a M.P., e estes transitam entre Cusco e Ollanta bem mais devagar do que moderno transporte rodoviário. Portanto há muitos ônibus, micro-ônibus, vans, táxis coletivos, etc. que circulam até aqui, e várias frequências diárias de trens entre Ollanta e M.P., e pouca gente consegue não passar por aqui. Mas parar ou não parar é um outro assunto.

A nossa parada foi planejada com boa antecedência - para descansar depois de longo caminho, já um tanto abaixo dos 3000 m, lembrando que este número representa uma barreira psicológica, se não fisiológica, e que  Cusco fica consideravelmente acima. E também para conhecer o sítio arqueológico local, bastante amplo e com elementos nada menos impactantes do que em Machu-Picchu:


Foi aqui que nós compramos ingressos válidos para visitação deste e de mais 15 monumentos arqueológicos e museus de Cusco e região (130 soles para 10 dias, inclui nem tudo: visitas a M.P. e mais algumas coisas tem que pagar a parte).