sábado, 20 de abril de 2013

Encantos de San Ignácio boliviana


San Ignácio de Velasco, Departamento Santa Cruz, Bolívia

Entre atuais cidades históricas, fundadas na América do Sul pela Companhia de Jesus nos séculos XVII e XVIII, há pelo menos três que levam nome do fundador desta Ordem. A mais visitada por turistas estrangeiros está na Argentina, e suas ruínas da missão San Ignácio Mini, com mais três vizinhas, fazem parte do mesmo objeto UNESCO No. 275 que já apresentada São Miguel das Missões - RS. Confesso, que já passei pela San Ignácio Argentina de ônibus, mas ainda não parei. É fácil demais, terei outras oportunidades. Não parei também em San Ignácio Major, paraguaia. Da missão maior as ruínas quase não sobraram, e segui direto para patrimônio histórico do Paraguai mais bem conservado, em Dep. Itapuá. Mas a San Ignácio boliviana é imperdível, embora não faz parte da lista mundial. A sua joia principal já foi visitada, mas ainda há outras coisas para curtir.

Começando com aquela maravilha de calçadas cobertas, elas se estendem muito além do perímetro da praça principal.


Principalmente pelas ruas comerciais da cidade, no sentido sul da praça. Aqui encontramos colunas talhadas e outros enfeites de madeira.


Sim, as cabeças dos índios são como vivas.


Os centros comerciais seguem mesmo estilo.


E a administração da Província Velasco também dá abrigo aos pedestres, mas não exagera no acabamento de pilares de madeira. Alias este tipo de telhado "duas águas", sem "puxadinhos" e outras frescuras que complicam a execução e comprometem a funcionalidade, é soberbo na Chiquitânia, começando com as suas famosas igrejas.


A biblioteca pública é pequena, mas aconchegante.


E até a casa de rações e serviços veterinários exibe artes de madeira.


Mas andando um pouco mais longe do centro podemos encontrar algo ainda mais rústico, com nada menos de bom gosto.


E a pintura da casa vizinha também surpreende. Estas maravilhas foram encontradas na zona oeste, nas proximidades da outra igreja, de São Francisco.


No mesmo estilo da antiga matriz, esta foi construída em 1998, para comemorar 250 anos da fundação da cidade. Provavelmente, serviu como catedral temporária nos anos de reconstrução da igreja principal.


A Plaza São Francisco é um pouco menor que a central, mas também tem boa pavimentação. E até exibe cabeça de algum homem importante. O lado sul da praça encosta na superquadra do estádio municipal, e duas formam a maior área verde dentro da cidade.


Mas a pavimentação das calçadas desta praça representa uma ilha no oceano das ruas de terra.


A zona leste também tem sua praça bem arrumada, Plaza Pueblo Novo. Sem igrejas e monumentos, mas também é um centro local.


Com quadras esportivas e parquinhos infantis.


E com bem movimentada casa de carnes, com algo mais interessantes ainda a sua esquerda.


Os turistas são bem vindos por aqui, mesmo que quase não comparecem.


Na próxima quadra mais um escritório, e o dono deste foi bem receptivo.


Por aqui já há boas calçadas e os carros transitam pela pista pavimentado, então estamos voltando ao setor central.


Ao norte deste, bem perto a antiga igreja, há grande área de lazer, na beira da represa Guapomo. Juro, em dia de sol não perderia oportunidade de nadar nestas águas. Mas a chuvinha recomendou outro caminho, buscar transporte para próxima cidade histórica, San Miguel, a menos de 40 km.


A San Ignácio não tem um terminal de ônibus que junte todas as linhas interurbanas, isto não é nem bom, nem ruim, é uma realidade. Por um lado, não precisa de procurar tal terminal em algum canto afastado. Por outro, para saber horários tem que pesquisar bastante nas várias quadras deste tipo, que concentram escritórios (e mini-terminais) das numerosas empresas. Descobri, que haverá duas saídas de ônibus para San Rafael, às 14:30 e às 17:30. E que convém reservar as duas linhas para deslocamentos posteriores, já que continuam para meus próximos alvos, San Rafael e San José. E para San Miguel ir de táxi lotação, que sai do lado do mercado com bastante frequência.


Já estava bem familiar com este pedaço de mercado, fiz umas compras, tomei café de manhã, usei internet e telefone...



Não foi difícil achar este ponto, onde veículos 4 x 4 de 7-8 lugares aguardam seus passageiros. A direito há caixa que vende passagens e forma as equipagens. Paguei apenas B$ 12 (R$ 4) e às 11:30 já estava a caminho, com este Toyota Ipsum azul que está no meio.

Esta reportagem continua em San Miguel...

Fotos do autor
Atualizado 30.07.2013


...cartão de visita Missões jesuí­ticas de Chiquitos, BOLÍVIA
...lista BOLÍVIA
...página AMÉRICAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário