terça-feira, 16 de junho de 2015

Convento de Santa Catalina em Arequipa

Estes dois quarteirões de Arequipa - não apenas uma das suas principais atrações, também é uma "cidade dentro da cidade", o miolo do centro histórico da segunda metrópole do Peru. Na lista do Patrimônio de Humanidade da UNESCO ele entrou pela inicialmente com um objeto separada, e mais tarde, depois que outras joias antigas da Arequipa foi incluídas como mais um objeto, os dois foram reunidos sob o título "centro histórico de Arequipa." E conhecê-lo por completo significa entar também nesta cidadela.

O mosteiro (convento) foi fundado em 1579, o ano, mas das suas construções iniciais sobrou pouco, por causa  dos terremotos devastadores dos anos 1660 e 1687. A maior parto do que vemos lá hoje surgiu após estas catástrofes, entretanto o complexo como um todo combina os estilos de arquitetura dos séculos XV-XIX, muito naturalmente, já que se desenvolveu de forma contínua. O único campanário desta cidadela religiosa foi construído em 1748.



Ao lado do campanário fica aquele portão por onde deste 1970 pode entrar qualquer um - chegando no o horário de expediente do museu e pagando o ingresso. Mas nem todo convento se transformou em museu - no setor norte ainda há uma parte em atividade, bem escondida e com entrada da outra rua.

Mas hoje estamos interessados ​​exatamente pela parte histórica e vamos caminhar pelos pátios do mosteiro-museu:







É um verdadeiro labirinto e na navegação aqui ajuda a divisão em diferentes setores coloridos, identificados no esquema anexo ao bilhete de entrada.



Pequenas ruas, travessas, becos...



Quase todas muito estreitas e sinuosas.



Mas há pelo menos duas bastante amplas.



E todos elas decoradas com gerânios em flores, com cactos e outras plantas em vasos e potes.

A rota de visitação é um tanto arbitrária, mas a direção geral do circuito é definida de tal forma que antes da parte "social" do convento precisa passar pelas habitações individuais, selecionando algumas para explorá-los dentro e evitando entrar em todas.




Em quantas entrar? O número otimizado é uma opção individual, mas recomenda-se pelo menos, duas ou três, porque há diferentes padrões: para freiras comuns, para freiras ricas, para dirigentes...



Mas melhor não se empolgar demais com isso, e mais ainda tentar olhar em cada quarto deste super-hotel - são várias dezenas, se não centenas, e corre o risco de ficar depois com mistura desses interiores e utensílios antigos.na cabeça.



Cozinhas do tipo tradicional, com fogões e paredes em fuligem, e com panelas velhas, vasos de barro, chaleiras, etc. também estão presentes em cada uma dessas moradias individuais.



Há também micro-pátios, muitos deles com essas escadas de pedra levando a lugar nenhum - só subidinhas para alcançar os raios do sol. Alias, no lado direito desta colagem aparecem grade e uma janela do moderno convento em atividade.



Há também áreas comuns de serviços - onde o alimento foi preparado para aqueles que precisava por razões de saúde ou por causa do desempenho de algumas funções públicas, para mesas festivas, etc. Bem, toda a água para habitações individuais tinha que ser trazida principalmente daqui.



Embora existiram nesta cidadela também banhos públicos, e até esta piscina coberta.



E ainda estas banheiras ao ar livre, abastecidas com água de um aqueduto especial.



Esta fonte na praça interna também indica que água nunca faltava aqui. Embora a cidade de Arequipa fica no extremo norte do famoso deserto de Atacama, está muito perto das montanhas cobertas de neve, de onde descem numerosos rios e córregos limpos.



Vista para este labirinto de cima, do telhado da igreja principal do mosteiro. Parece que a maioria dos telhados também serve para colher a água das escassas chuvas. A parte nova e ativa do convento aqui aparece no canto superior esquerdo.



Finalmente chegamos para área de igreja e museus neste monumento histórico.



Ela é bastante ampla e ramificada.



E até inclui uma verdadeira galeria de arte com obras de pintores famosos do período colonial (principalmente séculos XV-XVII).



Mas visita à Santa Catalina será lembrada principalmente graças aos cantinhos como este.

Fotos do autor
Atualizado 27.09.2015

...crônica de viagem pelo sul de Peru
...cartão de visita Arequipa, PERU 
...lista PERU

Nenhum comentário:

Postar um comentário